O Duplo, Fiódor Dostoiévski

o-duplo-fiodor-dostoievski-trad-paulo-bezerra-editora-34-306-paginas-r-3_1Eu sou uma pessoa muito observadora. Observo outras pessoas e seus comportamentos. Realmente acredito que se eu estudo uma pessoa, saberei lidar com ela. Simples assim. Enfim, o que quero dizer a partir dessa ladainha toda é que tenho em mim um lado “psicóloga” muito forte. Todos os assuntos relacionados à psicologia e à mente humana me atraem. E todos os livros que têm a mente e seus distúrbios como mote também. É o caso de “O Duplo”, de Dostoiévski.

O livro traz a história do senhor Golyádkin, um funcionário público do baixo escalão que deseja, a qualquer custo, ascender socialmente. Mas, diante de portas e portas fechadas na cara, o senhor Golyádkin cai em desespero e frustração, até que encontra o seu duplo, que o segue até sua casa e a quem o protagonista solitário compartilha suas dores e temores. O senhor Golyádkin segundo é idêntico ao primeiro, inclusive no nome. A diferença de um para o outro? O segundo tem toda a inteligência e perspicácia para chegar ao posto desejado pelo original.

“O Duplo” é uma espécie de ensaio de Dostoiévski sobre o que a mente de uma pessoa solitária, sem autoconfiança e frustrada é capaz de criar. E, como sabemos, Dostoiévski é mestre em conduzir a narrativa de mentes problemáticas, inquietas, cheias de conflitos. O duplo do senhor Golyádkin representa, para mim, todo o seu medo de viver, de se aceitar. É a transferência para o outro daquilo que se tem vontade de ser e fazer.

Fico pensando em que medida cada um de nós tem também um duplo (ou vários). Quando o nosso duplo aparece (se é que ele aparece)? Em que situações desejamos ter um clone? Em quais momentos da vida transferimos para outro nossos desejos ou nossos segredos mais secretos? Viver é algo muito complicado. Saber viver com as próprias limitações, com desilusões e com os outros também o é. É preciso fortalecer a mente para sobreviver.

***

“Claro, perdoar e esquecer ofensas são a virtude número um, mas mesmo assim é ruim”.

________________

O Duplo

Fiódor Dostoiévski

Editora 34

Tradução: Paulo Bezerra

Anúncios

4 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s