Quadrinhos

Mauvais Genre, Chloé Cruchaudet

mauvais genre chloé cruchaudet

“Mauvais Genre”, quadrinho da francesa Chloé Cruchaudet, é uma história de amor. E uma história de amor real, que ganhou as páginas desta HQ e de um ensaio intitulado “La garçonne et l’assassin”, publicado em 2011, por ser quase incrível. Paul e Louise, o casal de “Mauvais Genre” se apaixona e se casa, mas ele é convocado para lutar na I Guerra. A experiência nas trincheiras é traumatizante para o jovem, que deserta. Ele volta para Paris e encontra a amada. Porém, na condição de desertor, precisa viver às escondidas, o que também é traumatizante, sufocante.

Paul encontra apenas uma solução: travestir-se. É assim que ele dá vida à Suzanne. Sob o disfarce, Paul ganha novamente as ruas de Paris, sempre com Louise ao seu lado. A trama se complica, contudo, na medida em que a personalidade de Paul e a de Suzanne se misturam.

A história de “Mauvais Genre” é bastante sombria e toda a transformação de Paul, que vai além da física, é muito bem retratada por Cruchaudat, tanto no modo como ela a narra quanto nos desenhos em si. Aliás, é a transformação de Paul – Suzanne o ponto alto do quadrinho: da necessidade de Paul a se reintegrar à sociedade à perda de sua identidade original. Mostrar o homem perdido em suas emoções, em seus traumas de guerra e em suas descobertas me parece o grande objetivo da quadrinista, até porque Louise fica um pouco à margem da história.

Vale observar que em nenhum momento, Paul é mostrado como um herói ou como uma vítima por sua coragem/necessidade de travestir-se – muitas de suas escolhas e atitudes são, no mínimo, de gosto duvidoso, sobretudo quando se trata de seu relacionamento com Louise. Não há, também, nenhum tipo de polêmica ou ataque ao personagem. Cruchaudet dedica-se a mostrar os conflitos de um homem que, ao voltar da guerra, não trouxe consigo parte de si próprio. E nisso o olhar da quadrinista é bastante sensível. E, apesar de parecer em segundo plano, o modo como Cruchaudet retrata Louise é bastante interessante. A esposa de Paul é forte e aceita a condição do marido não por submissão, mas por entender o que é ser livre, o que é ter o direito de sair à rua. E, quando chega a um impasse em sua relação, Louise não tem uma atitude passiva, resignada, submissa. Ela é forte e a todo momento expressa suas ideias e seus sentimentos.

Por enquanto, “Mauvais Genre” está disponível aqui no Brasil apenas em francês. Espero que seja, em breve, traduzido para o português, pois a leitura vale a pena.

 

 

Anúncios